Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vícios Coloridos - pensamentos sobre mim e sobre o resto...

Vícios Coloridos - pensamentos sobre mim e sobre o resto...

Escolhas...

 

Durante a minha ausência também andei dedicada à saúde e ao bem estar. Comecei a estar mais atenta ao alimentos alcalinos, ao glúten, ao açúcar e à caseína (lacticínios). Decidi que devia diversificar a minha alimentação introduzindo novos alimentos e mais saudáveis. Desde há muito que sou uma espécie de vegetariana, não consumo carnes vermelhas, nem derivados, nem alimentos processados. Introduzi alguns produtos tipicamente vegetarianos como a soja, o tofu, o seitan mas hoje em dia já nem os consumo muito, tento então comer os produtos mais naturais e menos modificados pelo homem, leio rótulos e tento não comprar alimentos que na sua constituição têm nomes que não consigo pronunciar. Atenção não sou fundamentalista, apenas sinto que o meu organismo funciona melhor com alimentos simples. Isto tudo para dizer que descobri um livro muito interessante sobre saúde "Chegar Novo a Velho" do Dr. Manuel Pinto Coelho.

 

 

Alma lusitana...

Já li  "O Mandarim". Gostei principalmente do fim... Em minha opinião, não podia estar mais correto. Eça sabia bem ler a alma humana.

A importância que, as pessoas atribuem ao ter em vez de o ser, sem pensar nas consequências, já dizia Eça (1880) "...nenhum mandarim ficaria vivo, se tu, tão facilmente como eu, o pudesses suprimir e herdar-lhe os milhões, ó leitor, criatura improvisada de Deus, obra má de má argila, meu semelhante de meu irmão!"

 

"Novas" leituras.

Decidi voltar aos clássicos

 

Eça de Queiroz é o meu escritor português de eleição! Adoro a maneira como escreve,  o seu português correcto, a sua visão do mundo, sempre actual. Ou a sociedade portuguesa não mudou muito desde então, ou  Eça era um visionário. Estou convencida que é um pouco dos dois.

Bons vícios!

Ah! novidades...

Comecei a ler "Perguntem a Sarah Gross" e estou a gostar, boa escrita (ainda estou no inicio).

Em relação ao "TransIberic Love", não achei fantástico mas gostei da informação/consciência que passa ao leitor sobre a luta constante pela liberdade de escolhas, sobre a violência que ainda é exercida ao que foge aos padrões da sociedade...

Num apanhado geral é um abre olhos para a discriminação que acontece todos os dias nos países ditos de primeiro mundo!

Princesas...

Quando era pequenina adorava as princesas da Disney, a Branca de Neve era a minha preferida. Gostava dos vestidos compridos, dos cabelos longos (a minha mãe adorava levar-me às tesouras do cabeleireiro)  e principalmente dos finais felizes, do "viveram felizes para sempre".

Já crescida gosto de ler os contos originais dos Irmãos Grimm, do J.M.Barrie, Carlo Collodi, Christian Andersen, entre outros... Descobri que nem sempre os finais são felizes e pessoalmente acho-os bem mais interessantes.

Foi assim...

Este fim de semana estive ausente, só consegui ligar agora o pc... Setembro deixa-me assim... distraída.

Ponto de situação: continuo com o "TransIberic Love", adquiri " Perguntem a Sarah Gross" de João Pinto Coelho e assisti a uns concertos. Fiz umas comprinhas nova colecção (fui à falência), socializei com uns amigos e aproveitei o domingo para fazer praia (por sinal estava muito boa!).

AH! e fiquei desiludida com o Sapo Cocas... já anda com outra porca!

Bons vícios semanais

Primeira impressão..."TransIberic Love"

Uhmmmm optei pelo livro da Raquel Freire "TransIberic Love", até porque era o exemplar que tinha em casa. Ainda não tenho uma opinião formada sobre a estória... é algo diferente do que estou habituada a ler.  É notório a influência de argumentista da autora, pois uma das características deste livro é o leitor ter conhecimento da vida interior de cada personagem, a versão de cada um dos acontecimentos.

E é isto por agora

Sobre o final "As Intermitências da Morte"...(sem o desvendar)

Fiquei surpreendida com o final do livro "As Intermitências da Morte", não estava à espera do desfecho... quando comecei a ler nunca imaginei que terminaria assim. Achei-o interessante pois acho que o Homem precisa de finais como este, para viver em harmonia com a sua mortalidade. Somos o único ser vivo que tem conhecimento da sua finitude, e não é fácil lidar com isso. A esperança e o amor são essenciais na vida de qualquer Ser humano.

Bons Víciossssss

ainda Domingo...

 Um dia no calor do meu lar não é sinonimo de inércia! Decidi que irei debruçar-me sobre "Mindfulness". Sou um pouco céptica em relação a livros denominados auto ajuda, mas temos de nos manter actualizados e já dizia a minha avó "O Saber não ocupa lugar".

Tenho alguma expectativa pois é um livro recomendado pelo Serviço Nacional de Saúde Britânico. Este SNS reconhece a Terapia Cognitiva-Comportamental como a mais eficaz no tratamento de transtornos mentais (um dos autores deste livro, o psicólogo Max Williams apresenta uma relação estreita entre Mindfulness e Terapia Cognitiva).

Em minha opinião, a Terapia Cognitiva-Comportamental é uma ferramenta fundamental para controlar sintomas, mas para um tratamento eficaz é importante ir ao fundo da questão,  para tal é importante perceber as causas mais que os sintomas e para isso acho essencial a Psicanálise ou/e a Terapia de Inspiração Psicanalítica.

Bom bom é quando se conjugam as várias teorias em prol do bem estar das pessoas.

Bons vícios coloridos.

Primeiro Vício

 

 Pois é, um dos meus vícios é a literatura. Este mês dediquei-me à leitura de autores Portugueses, primeiro "O Primo Bazílio" de Eça de Queiroz e de seguida "Aparição" de Vergílio Ferreira.

Adorei ler Eça de Queiroz, confesso que tenho andado entretida com autores russos como Tolstói e Dostoievski e fiquei alegremente surpresa com Eça pois está ao nível destes grandes escritores.

"O Primo Bazílio" é uma obra actual, retrata as relações amorosas e a sociedade portuguesa, uma sociedade ainda tacanha e retrógrada. Onde o parecer é mais importante que o ser, a fomentação da culpa nas mulheres, a desculpabilização dos comportamentos no homem... etc.

De momento estou a ler "A Dama das Camélias" de Alexandre Dumas filho, por referência de Eça.

Bons vícios coloridos!